Tempestades Neurais


08/11/2005


As Famosas Bombas da Segunda Guerra Mundial

Domingo, no computador e ouvindo de longe o programa Fantástico. Alguma coisa sobre as bombas lançadas sobre o Japão na Segunda Guerra Mundial.  Escuto falar muitas coisas a respeito, colocarei aqui alguns fatos.

Como muitos falam, o lançamento de duas bombas atômicas sobre o Japão, foi o inicio da guerra fria travada entre URSS e EUA. Como alvos foram escolhidas cidades que estavam praticamente intactas, que não eram alvos militares. Hiroshima, propositalmente, não foi bombardeada em nenhum momento da guerra no Pacífico, com a intenção de verificar o estrago que uma bomba atômica poderia causar em uma cidade (para isso necessitavam de uma cidade intacta). E obviamente, as bombas foram um aviso para a URSS, no que diz respeito à utilização de armamentos atômicos e à guerra fria.

Não acho que a forma com que foram dizimadas vitimas civis possa ser mais ou menos chocante.  De uma forma ou de outra morreram um sem numero de pessoas, a única diferença é que morreram em segundos o mesmo número de pessoas que morreriam em meses, ou melhor, queja haviam  morrido meses antes nesta guerra. Toquio, por exemplo, sofria bombardeios com bombas incendiárias quase que 24 horas por dia. Num destes ataques, o calor era tanto que criava correntes de ar que faziam os aviões bombardeios “pularem” nos céus (e os aviões não eram pequenos). A tripulação dos aviões vomitavam, não pelos “pulos”, mas pelo cheiro de corpos queimados que subia da cidade. Isso, sem utilização de bombas nucleares.

O Japão não aceitava os termos para rendição impostos pelos americanos, porém, já havia entregue uma carta de rendição ao governo da URSS. Esta, por motivos políticos, não deu ouvidos aos Japoneses, pois tinha algum interesse na continuação da guerra no Pacifico, ou seja, tal carta de rendição não chegou até o EUA. O EUA nunca soube da rendição do Japão, e necessitava acabar com a guerra o quanto antes, por fatores políticos, para evitar mais custos empenhandos numa guerra e vitimas de ambos os lados.

Caso não fossem jogadas tais bombas, a guerra continuaria ainda por alguns meses, e haveria muito mais bombardeios (que obviamente não distinguiam a população civil dos alvos militares) e o pior, uma invasão por terra. E ai  sim, haveriam muito mais vitimas civis e destruição, e a situação pós-guerra seria bem pior.

Numa guerra onde foram utilizadas diversas novas tecnologias, com o único intuito de matar (fossem militares,  fossem civis), uma cidade a menos ou uma cidade a mais, na visão e lógica militarista, realmente não fazia diferença alguma (principalmente na na visão de quem como eu, não estava lá)  Mas na Segunda Guerra foi utilizado e muito, o bombardeio de áreas civis para diminuir a moral de uma nação, isso foi utilizado por americanos, japoneses, ingleses, alemães, russos, etc., a única diferença destas bombas, repito, foi a destruição instantanea de uma cidade, e não, como no caso das bombas incendiárias, pelo fogo durante vários  dias..

(Ruas de Londres destruidas após bombardeio aéreo Alemão)

Isso são alguns poucos fatos. O que eu acredito realmente, é que o lançamento de tais bombas foi inevitável diante das circunstâncias políticas do mundo e do andamento da guerra.:

1.O inicio de um período de crise politica entre EUA e URSS, chamado “carinhosamente” de Guerra Fria.

2.A abreviação da Guerra no Pacifico.

3.Teste de um novo armamento militar: uma nova bomba.

Muitas pessoas dirão que não era necessário. Isso não saberei responder, porém INEVITÁVEL, isso era.  E é bom lembrar que o impacto e grande fato aterrorizante da Guerra não foi apenas Hiroshima e Nagasaki, mas também as incontáveis  vítimas sacrificadas durante toda duração do conflito.

 

 

           

 

 

Escrito por Thi às 22h34
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Perfil



Meu perfil
BRASIL, Sul, CURITIBA, Homem, de 26 a 35 anos

Últimas Notícias
Últimas Notícias - Estadão